O futuro do varejo é Omnichannel

Mais uma vez o NRF Big Show, maior evento de varejo do mundo, indicou alguns dos principais caminhos para os próximos anos da indústria. Realizado em Nova York pela National Retail Federation, a 110ª edição do evento aconteceu entre os dias 15 e 20 de janeiro e reuniu grandes profissionais do mercado.

Entre diferentes painéis e palestras, um fato  ficou ainda mais claro: a jornada do consumidor nunca esteve tão dinâmica e rica em possibilidades. Venda de produtos através de NFTs, metaverso, inteligências artificiais que sugerem e auxiliam na decisão do consumidor, entregas totalmente robotizadas… Esses foram alguns dos assuntos abordados na última edição do evento e apenas reforçam o fato de que a tecnologia é a grande aliada da indústria e do varejo no século XXI.

Os grandes nomes presentes na NRF Big Show foram unânimes ao dizer que: “o futuro será cada vez menos linear e estático”, tanto para quem compra quanto para quem vende.

Quer saber mais sobre as principais tendências apresentadas no NRF Big Show 2022 e os principais insights para o dia a dia da sua operação?

Vem com a gente!

AS CINCO DICAS DA BEST BUY

Uma das presenças mais aguardadas do evento, Corie Barry mostrou por que a empresa segue sendo referência na indústria. Além de contar como ela e seu time mantiveram a empresa na liderança do setor de eletrônicos (um dos mais concorridos do mercado), a CEO trouxe cinco tendências para o varejo que vale a pena manter no radar:

Segurança é a chave

Construir uma jornada segura e confiável, adaptada a diferentes perfis de cliente, é fundamental. Seu canal de vendas evidencia seu cuidado com cada cliente? Como diferentes perfis de consumidores se sentem no seu e-commerce ou PDV?

Conveniência para todos 

Corie conta que 40% das vendas da Best Buy são retiradas pelo cliente nas próprias lojas, mesmo que a maioria delas tenha a opção de entrega grátis em um dia. Ou seja: a definição de conveniência não é a mesma para todos os consumidores.

Conforto digital

As gerações Y e Z já lidam muito facilmente com a tecnologia. “O outro lado disso é que há altas expectativas quanto à experiência; as pessoas querem algo mágico”, disse Carie. Isso aumenta a importância do preparo do time de relacionamento com o cliente, por exemplo.

Carreira nas empresas 

No caso da Best Buy, colocar a equipe no centro foi fundamental. “As pessoas perguntam: qual será a minha trajetória? Quais os benefícios aqui? Como será meu desenvolvimento?”, Carie ressaltou. Saber responder a essas questões, ou estar aberto para pensar sobre elas, eleva o senso de valor do seu time. E seus resultados também.

Dados são a nova moeda

Diferentes plataformas oferecem às empresas – como para as indústrias, por exemplo – uma variedade quase infinita de dados sobre seus consumidores. Para Carie, a questão principal é entender “como a análise desses dados pode efetivamente otimizar e personalizar o seu trabalho?”.

“Ajudamos em duas fases […] Uma é: ‘Você sabia?’. Você sabia que pode usar a tecnologia para melhorar sua vida? A segunda fase disso é o suporte. Agora que a tecnologia melhorou sua vida, como você mantém todas essas coisas funcionando juntas?”

Corie Barry, CEO da Best Buy

EXPERIÊNCIA DE COMPRA É ENTRETENIMENTO 

O e-commerce pode não ser tão divertido para as gerações mais jovens. Foi essa a afirmação da CEO da GDR, Kate Ancketill. Ao invés do caminho tradicional vitrine online > carrinho > pagamentoo futuro é omnichannel. Diferentes canais de venda integrados, desde redes sociais e jogos online até vendas por streaming e outros formatos – mais flexíveis e menos “duros” que o e-commerce tradicional – serão o padrão de experiência de compra dos próximos anos.

Os caminhos se cruzam, mas não se limitam. Uma compra pode começar num ambiente online, migrar para o offline e ser finalizada digitalmente. As combinações são variadas e, portanto, a capacidade dos times em compreendê-las também.

A partir disso, toda a experiência de compra pode ser observada como entretenimento. Hoje é muito mais divertido aproximar o cartão/celular e ouvir um bip de compra efetivada do que inserir e esperar para digitar a senha. Um exemplo básico, mas que mostra o potencial de tornar pequenos detalhes da jornada de compra mais interessantes e intuitivos.

O FUTURO EM TRÊS EXEMPLOS CONCRETOS

A tecnologia avançou exponencialmente nos últimos anos, impulsionada , inclusive,  pela pandemia. Equipes de diversos setores buscaram soluções para problemas complexos, inovaram, e práticas que esperávamos vivenciar somente na próxima década hoje já são realidade.

No NRF Big Show, algumas dessas soluções foram apresentadas. Selecionamos as mais interessantes para você:

COMPRAR ONLINE E RETIRAR NA LOJA

A empresa Retail Robotics apresentou estruturas robotizadas de coleta, integrados a armários com mecanismos de abertura automatizados para retirada dos produtos in-loco. A ideia é reduzir custos e tempo de transporte.

ANÁLISE DE DADOS 

Discover Dollar desenvolveu uma inteligência artificial capaz de analisar preços e descontos negociados via e-mail. Escaneando milhares de documentos em tempo real, essa IA ajuda varejistas a identificarem problemas de pagamento excessivo e revenda, reduzindo prejuízos.

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

Yawye é uma marca que faz pesquisas de comportamento online, sem utilizar nenhum questionário. Como? Através dos emojis usados pelos usuários enquanto assistem vídeos por streaming. Dados salvos na nuvem ajudam na interpretação desses dados, gerando insights para melhorar índices de engajamento e eficiência das estratégias de comunicação.

MICRO-FULFILLMENT

Os armazéns de pequena escala, chamados de micro-fulfillment, são a especialidade da Dematic. Sua equipe desenha, constrói e oferece suporte automatizado e inteligente para construção, armazenamento e distribuição nesses armazéns. Com esses pequenos centros de distribuição, o tempo de entrega é acelerado e as distâncias reduzidas.

Confira nosso conteúdo sobre os 6 problemas mais comuns em supermercados.

E OS IMPACTOS NO BRASIL?

Ainda que o varejo americano esteja na vanguarda das inovações, o intervalo de tempo entre a formação de tendências por lá e o reflexo no Brasil tem sido cada vez menor. Grandes players já avançam rumo a esse futuro, com expectativas positivas. Para se ter uma ideia, o volume de vendas do varejo deve crescer 3,8% no Brasil em 2022.

Enquanto isso, as vendas online já atingiram 21,2% do faturamento total do varejo em 2021, comparado a apenas 9,2% antes da pandemia. E essa tendência deve continuar neste ano.

Para sair na frente da concorrência e manter seus dados em crescimento, é essencial que tanto o varejo quanto a indústria façam uso das vantagens da tecnologia, como os dados, a inteligência artificial e outras soluções nas suas estratégias e operações. É hora de se preparar para os próximos passos.

Por Vítor Madsen Kretschmer
Publicado originalmente em Clube do Trade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.